Doença curável: tuberculose tem tratamento na rede básica de saúde de Marília

Secretário Municipal de Saúde, Marcelo Gallo, orienta que a doença tem tratamento e deve ser feito de forma adequada

A tuberculose é uma doença infecciosa e transmissível que afeta prioritariamente os pulmões, embora possa acometer outros órgãos também. A doença é causada pelo Mycobacterium tuberculosis ou bacilo de Koch e levou a óbito a terceira vítima em Marília em 2024.
 
Trata-se de um homem de 58 anos, etilista (alcoólatra) e tabagista (fumante). De acordo com a notificação hospitalar, a vítima morreu no dia 25 de abril de 2024, mas a verdadeira causa foi notificada e confirmada esta semana pela Vigilância Epidemiológica. O homem que sofria com tuberculose já estava em tratamento gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
 
O secretário municipal de Saúde, Marcelo Gallo, orienta que a doença tem tratamento e deve ser feito de forma adequada a partir das Unidades Básicas de Saúde (UBSs). “É importante ressaltar que o diagnóstico precoce pode ser obtido em consulta médica e os pacientes devem ficar atentos aos sintomas como perda de peso, suor noturno e, principalmente, tosse contínua com mais de duas semanas. Em Marília, a rede de atendimento médico formada por 52 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e 08 Unidades de Saúde da Família (UFSs) tem equipes médicas altamente qualificadas para o atendimento imediato”, explica Gallo.
 
Fique atento!
 
A tuberculose atinge 30 mil pessoas em todo o mundo entre as mais de 10 milhões infectadas pela doença. De acordo com o Ministério da Saúde, no Brasil a tuberculose é o carro chefe da política de eliminação das doenças determinadas socialmente. São mais de 10 milhões de pessoas que adoecem por ano em todo o mundo e por dia mais de 4 mil pessoas morrem no mundo. No tratamento da tuberculose inicial, a chance de cura é de 95%. Em Marília, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, mortes pela doença não são comuns, mas a Vigilância Epidemiológica é sempre notificada em casos suspeitos para dar total suporte às vítimas.

Compartilhe esse conteúdo

LEIA
mAIS