Tribunal de Contas do Estado realiza outorga de medalhas em homenagem aos 90 anos da Revolução de 1932

Continua depois da publicidade

Em homenagem aos 90 anos da Revolução Constitucionalista de 1932, comemorada em 9 de julho, o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP) realizou, na quinta-feira (7/7), Solenidade Cívica de Outorga da Medalha Tenente Horácio Ramalho.

A entrega da honraria – instituída pelo Núcleo MMDC da Corte de Contas paulista – aconteceu no Auditório Nobre ‘Professor José Luiz de Anhaia Mello’ e condecorou representantes da sociedade paulista por apoiarem a Epopeia de 1932 e a Sociedade Veteranos de 32 MMDC.

Compuseram a mesa solene da cerimônia o Presidente do TCESP, Conselheiro Dimas Ramalho; o Presidente da Sociedade Veteranos de 32 MMDC, Carlos Romagnoli; os Conselheiros Renato Martins Costa, Antonio Roque Citadini e Cristiana de Castro Moraes; a Auditora Silvia Monteiro; o Presidente do Núcleo MMDC do TCESP ‘Tenente Horácio Ramalho’, Antônio Carlos Luz Magalhães; o Presidente do Conselho Estadual de Honrarias e Mérito, Adilson Cezar; o Procurador-Geral do Ministério Público de Contas junto ao TCE, Thiago Pinheiro Lima; e o Procurador-Chefe da Procuradoria da Fazenda do Estado junto ao TCESP, Luiz Menezes Neto.

“A Revolução de 1932 nunca quis separar o Estado de São Paulo, mas, sim, defender direitos, o voto e a Constituição”, destacou o Presidente Dimas Ramalho. “Preservamos valores importantes no Tribunal de Contas do Estado. Enquanto eu viver vou falar sempre aquilo que aprendi e levo para frente: respeito, liberdade, democracia e, sobretudo, apoio incondicional à Constituição Federal”, completou.

. História

A sigla MMDC deve-se às iniciais dos nomes Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, jovens que morreram durante a Revolução Constitucionalista reivindicando para o povo brasileiro uma Constituição que estabelecesse o Estado Democrático de Direito. 

O sangue desses quatro heróis deu início à Epopeia de 32, que atingiria seu objetivo em 1934 quando o Governo Federal promulgou a Carta Constitucional que assegurava direitos e garantias individuais a todos os brasileiros.

Patrono da medalha

Horácio Ramalho nasceu em 9 de janeiro de 1906, na Fazenda São Domingos, em Taquaritinga. Filho de José Ramalho e Maria Gonçalo Ramalho, estudou no tradicional Colégio Marista Arquidiocesano de São Paulo e ingressou na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco.

Horácio tomou parte na defesa de São Paulo na Revolução Constitucionalista de 1932, integrando o Batalhão Arquidiocesano. Esse grupo guarneceu na Serra da Mantiqueira, na estrada entre São Luís do Paraitinga e Ubatuba, no Vale do Paraíba, sob o comando do Coronel Euclides Figueiredo. Os objetivos eram a derrubada do governo provisório de Getúlio Vargas e a promulgação de uma nova Constituição.

Jovem, combateu como voluntário e voltou como Tenente, enfileirou-se junto aos revolucionários de 1932. Escolheu defender São Paulo e, desde então, fez disso seu lema de vida, afinal sempre foi defensor das liberdades democráticas e do Estado de Direito.

Colocou em prática tudo isso em sua trajetória política vitoriosa. Foi Vereador, Vice-Prefeito e Prefeito. Morreu aos 81 anos deixando um legado, desde os ideais do jovem estudante e combatente, até como político vibrante. 

Integridade, ética e sensibilidade marcaram sua vida, e isso foi claramente passado para os filhos, que mantêm com orgulho e admiração o que Horácio Ramalho desejava para si, sua família e o país. Seu marco foi a defesa do Estado de Direito e da Democracia.

Compartilhe esse conteúdo

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

LEIA
mAIS