Agosto Verde-Claro – Mês de combate ao linfoma

Continua depois da publicidade

Especialista alerta para a importância do diagnóstico precoce

No Brasil, mais de quatro mil pessoas morrem, em média, em decorrência do linfoma. Os dados são da ABHH (Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular). Apesar de ser a sexta maior causa de câncer no país, a maioria das pessoas não conhece a doença e os seus sintomas.

De acordo com Daniel Ditzel, hematologista do Sistema Hapvida, para melhorar esse panorama é importante que o diagnóstico seja feito rapidamente. “Quanto mais cedo, maiores são as chances de cura. Por isso, ao observar qualquer sintoma é preciso procurar o médico, realizar os exames e iniciar o tratamento”. Sudorese, febre vespertina, aumento dos linfonodos, calafrios, perda de peso, fadiga, inchaço no abdômen, infecções graves ou frequentes, hematomas ou hemorragias são os sintomas elencados pelo especialista. O surgimento de gânglios duros, que aumentam de tamanho e são indolores
durante a apalpação também fazem parte da lista.

“Alguns pacientes foram diagnosticados com linfoma sem apresentar nenhum sintoma. É importante que qualquer pessoa que esteja preocupada consulte um médico hematologista de confiança. Ele irá solicitar uma série de testes para confirmar ou descartar o câncer como causa, pois alguns sintomas podem ser atribuídos a outros problemas médicos”, explica.

Hodgkin e não-Hodgkin
 
O linfoma é uma forma de câncer que afeta os linfócitos, um tipo de glóbulo branco que desempenha papel importante no sistema imunológico. Segundo o hematologista, a principal diferença entre as duas categorias de câncer linfático, Hodgkin e não-Hodgkin, é o tipo de linfócito afetado. “O primeiro é marcado pela presença de células Reed-Sternberg, que podem ser identificadas com o uso do microscópio. No segundo grupo, essas células não estão presentes”. Ditzel também cita outras diferenças:
 

  • O linfoma não-Hodgkin é mais comum que o linfoma de Hodgkin;
  • A maioria dos pacientes não-Hodgkin tem mais de 55 anos. Já a idade
    média para o diagnóstico de linfoma de Hodgkin é de 39 anos;
  • O linfoma não-Hodgkin pode surgir nos gânglios linfáticos em qualquer
    parte do corpo como pescoço, tórax ou axilas;
  • O linfoma de Hodgkin é frequentemente diagnosticado em um estágio
    inicial e, portanto, é considerado um dos cânceres mais tratáveis.

Compartilhe esse conteúdo

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

LEIA
mAIS