Estátua percorre mais de dois mil quilômetros e chega a Marília revivendo a saga dos dinossauros

Continua depois da publicidade

Concebida pelo artista plástico Anilson Borges dos Santos, reprodução do Dino Titã pesa quase uma tonelada

texto e fotos por Ramon Barbosa Franco

Ele viveu por aqui há 70 milhões de anos. Por acaso, foi descoberto durante uma escavação para a construção de uma rodovia. Mas, agora, graças a concepção artística de Anilson Borges dos Santos, especializado em reproduzir seres paleontológicos, o Dino Titã de Marília reapareceu por aqui. Na manhã deste sábado, dia 2 de julho, a réplica em tamanho real começou a ser instalada na praça da Bandeira, ao lado do Museu de Paleontologia, da cidade. A escultura enorme tem forte apelo turístico e chamou atenção de todos os que passavam pelo cruzamento da avenida Rio Branco com a Sampaio Vidal. Autoridades locais acompanharam a chegada o monumento, entre elas o secretário municipal de Turismo e Desenvolvimento Econômico, Nelson Mora, e a vereadora Vânia Ramos, liderança dos Republicanos na Câmara Municipal de Marília. O diretor do museu e responsável pelas primeiras descobertas paleontológicas de Marília, William Roberto Nava, também esteve presente. Transmissão ao vivo pelo Facebook da Prefeitura Municipal de Marília, conduzida pelo jornalista e apresentador Fábio Conti, detalhou cada instante da chegada.

Concebida em Salvador, capital do Estado da Bahia, a estátua que tem 12 metros de comprimento e 5 metros de altura chegou dividida em duas partes. O corpo, com as quatro patas e o rabo enorme, compunham uma parte da estrutura e o ‘pescoção’ do herbívoro e a cabeça, outra. O artista plástico Anilson Borges dos Santos e sua equipe acompanharam os mais de dois mil quilômetros de distância e irão, agora, dar os últimos retoques para a composição da representação. Obra e artista cruzaram três Estados para chegar aqui. O ex-vereador e atual secretário de Turismo, Nelson Mora – um dos mais longevos políticos em atividade na cidade – informou que a escultura foi custeada por uma verba do Governo do Estado de São Paulo em virtude da cidade de Marília ter sido reconhecida, nos últimos anos, como Município de Interesse Turístico, conhecido pela sigla MIT.

Mora explicou ainda que o Museu de Paleontologia de Marília – fechado nos últimos anos para reforma – será reaberto para visitação e ganhará uma dinâmica digital. “Com um óculos 3D você poderá entrar no mundo dos dinossauros e até mesmo colher uma fruta virtual e dar para o dinossauro comer”, relatou o secretário do Turismo. A reabertura do museu será em agosto. A vereadora Vânia Ramos observou que a estátua terá um aspecto pedagógico, além de turístico. “Muitas crianças irão despertar o gosto pela ciência e pelo saber em virtude desta réplica em tamanho real”, afirmou.

Além da réplica do Dino Titã, há uma segunda, que também veio da Bahia, e que será instalada em um cenário paleontológico dentro do museu.

Ramon Barbosa Franco é jornalista e escritor, autor de ‘Canavial, os vivos e os mortos’, e editor-chefe do Diário de Notícias Marília

Compartilhe esse conteúdo

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

LEIA
mAIS